Foro privilegiado é caixa-preta em tribunais

POR SÉRGIO ROXO / O GLOBO

0

SÃO PAULO — Além de ser alvo de polêmica, o foro privilegiado também é uma caixa-preta em meio aos milhares de processos no Brasil. Durante a sessão da última quinta-feira, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) discutiram a limitação do benefício para as ações que envolvem deputados federais e senadores, mas o direito de não ser julgado na primeira instância como os demais cidadãos é extensivo a ministros, deputados estaduais, promotores, prefeitos e, em alguns estados, até a delegado de polícia e a dirigentes de autarquias. Com um leque tão grande de autoridades beneficiadas, ninguém sabe quantas ações envolvendo réus com foro tramitam no país.

Nem o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que faz anualmente um raio-x do Poder Judiciário, possui dados sobre o total de processos. No último relatório “Justiça em Números”, divulgado em setembro com base em dados do ano passado, o órgão chega a abordar o tema e informa que 35% dos casos que começaram a tramitar na segunda instância da Justiça Estadual e Federal (TJs e TRFs) em 2016 eram relativos a foro. Em números absolutos, seriam 76 mil ações em apenas um ano.

Em uma tabela enviada ao GLOBO que teria servido de base para a produção do relatório chegava a constar que 73% das novas ações que começaram a tramitar no Tribunal de Justiça de Alagoas tinham réus com foro. Questionado sobre o número elevado, o CNJ reconheceu que a conta estava equivocada e que no cálculo foram incluídos também os habeas corpus de pessoas sem foro — que são, inclusive, a maior parte das ações originadas nas instâncias superiores.

Os próprios tribunais também têm dificuldade para dizer a quantidade de ações com foro em tramitação. O Tribunal de Justiça do Rio e o Tribunal Regional Federal da 2ª Região, responsável pelos crimes federais ocorridos no Rio e no Espírito Santo, foram consultados e não informaram quantos processos desse tipo estão em andamento. As cortes mais altas, porém, têm mais facilidade para fazer a contabilidade. O STJ disse ter 74 ações penais e 107 inquéritos relacionados a foro. Já o STF possuía, em fevereiro, 357 inquéritos e 103 ações penais contra congressistas.

Para Gustavo Justino de Oliveira, professor da USP, a amplitude do foro no Brasil, considerada uma das maiores do mundo, contribui para a dificuldade de contabilizar as ações em tramitação.

— O foro privilegiado no Brasil tem uma extensão que dificilmente será encontrada em outros países, a não ser em ditaduras. É a extensão do foro privilegiado e o fato de a maior parte dos processos serem colocados sob segredo de Justiça que faz com que os casos fiquem camuflados no sistema judicial brasileiro — avalia o professor.

Ações e inquéritos com réus e investigados tramitam no STF, no Superior Tribunal de Justiça (STJ), na segunda instância da Justiça Federal, formada pelos cinco tribunais regionais federais, nos 27 tribunais de Justiça estaduais e nos tribunais regionais eleitorais. A corte em que correrá a ação depende do cargo ocupado. Prefeitos são julgados pelos Tribunais de Justiça Estaduais ou pelos Tribunais Regionais Federais — nesse último, caso sejam acusados de um crime federal. Já as ações contra governadores ficam no STJ.

ESTADOS AMPLIAM BENEFÍCIOS

Além das autoridades previstas na Constituição (presidente, ministros, governadores, conselheiros de tribunais de contas, desembargadores, comandantes das Forças Armadas, entre outros), o foro também atinge ocupantes de outros cargos no âmbito estadual. Nesses casos, cada uma das constituições estaduais define o leque de beneficiados. São comuns em todas as unidades da federação o direito ao foro para deputados estaduais, secretários estaduais e prefeitos. Mas com relação às demais autoridades a variedade é grande. Como exemplos, no Rio, não são julgados na primeira instância os vereadores dos 92 municípios e os delegados de polícia. Em Roraima, podem se valer do benefício os presidentes de autarquias.

Um outro problema destacado por especialistas relacionado à tramitação de processos criminais em tribunais superiores é que essas cortes não estão preparadas para a fase de instrução, quando são colhidos os depoimentos de testemunhas e determinadas medidas como quebras de sigilo, o que acaba atrasando a tramitação das ações.

— Não conheço um tribunal que seja preparado para a fazer instrução do processo, para organizar a coleta de provas — afirma Vladimir Passos de Freitas, ex-presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª região (TRF-4).

 

 

 

 

Posts Relacionados Mais do autor

Comentário

Seu endereço de email não será publicado.