Embate com Renata Vasconcellos marca entrevista de Bolsonaro no JN

CNJ afasta substituta de cartório filha de desembargador por nepotismo no Maranhão
28 de agosto de 2018
As Defensorias do Estado e União pedem suspensão de reajuste tarifário da Cemar
29 de agosto de 2018

Embate com Renata Vasconcellos marca entrevista de Bolsonaro no JN

© Reprodução / TV Globo

Jornal Nacional, da TV Globo, recebeu nesta terça-feira (29) o candidato Jair Bolsonaro (PSL) para a série de entrevistas que a emissora carioca realiza com alguns dos 13 presidenciáveis.

Quando questionado sobre o papel do Estado na desigualdade salarial entre homens e mulheres, Bolsonaro reforçou que a CLT já possui medidas para evitar isso e manteve sua opinião sobre o livre arbítrio da iniciativa privada.

“Questão de salário é questão de competência. Na CLT já se garante isso, salário compatível”, começou por responder Bolsonaro, interrompido por Renata.

“Nós sabemos que na prática existe incompatibilidade salarial entre homens e mulheres e o IBGE mostra que as mulheres ganham 25% a menos. Eu gostaria só de saber se o senhor eleito presidente da República, que políticas o senhor deve fazer para evitar essa desigualdade?”, perguntou a jornalista.

Notícias ao Minuto

“Mas eu não tenho gerência no Ministério do Trabalho. Isso está na CLT. É só as mulheres denunciarem e o MT do Trabalho vai lá tratar do assunto”, disse o candidato.

“Mas você sabe que o Estado tem mecanismos para estimular a iniciativa privada para que não cometa esse tipo de desigualdade. O senhor como presidente da República não vai fazer nada para evitar?”, indagou Vasconcellos.

Ao responder, e já aos gritos, Bolsonaro insinuou que Renata Vasconcellos recebe menos que William Bonner..

“É lógico que eu faria, mas o Ministério Público pode ser questionado. Eu estou vendo aqui uma senhora e um senhor (aponta para Renata e Bonner), eu não sei o certo, mas com toda certeza há uma diferença salarial aqui. Parece que é muito maior para ele (aponta para Bonner) do que para senhora. São cargos semelhantes, são iguais”, disse o presidenciável, antes de levar uma lição de Vasconcellos.

Além de apresentadora, Renata é editora-executiva do telejornal; Bonner, editor-chefe, posição hierárquica superior à dela.

“Candidato, eu vou interromper. Eu poderia até como cidadã ou como qualquer cidadão brasileiro fazer questionamentos sobre os seus proventos porque o senhor é um funcionário público, deputado há 27 anos, e eu como contribuinte ajudo a pagar seu salário. O meu salário não diz respeito a ninguém. E posso garantir ao senhor, como mulher, que eu jamais aceitaria receber um salário menor de um homem que exerce as mesmas funções e atribuições que eu, afirmou Renata Vasconcellos.

Bolsonaro foi o segundo entrevistado do Jornal Nacional. Ciro Gomes (PDT) foi o primeiro entrevistado, na segunda-feira (28). Amanhã, quarta-feira (29), é a vez de Geraldo Alckmin, do PSDB, ser entrevistado pelo Jornal Nacional. Por fim, na quinta (30), Marina Silva, da Rede, concederá entrevista.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *