Beto Richa (PSDB), Ex Governador do Paraná é preso pelo Gaeco do Ministério Público do Paraná

Comunidade de Portinho, região portuária de Serrano do Maranhão recebe mutirão
10 de setembro de 2018
Em Cururupu o Centro de Hematologia do Maranhão (Hemomar) irá realizar coleta de sangue
11 de setembro de 2018

Beto Richa (PSDB), Ex Governador do Paraná é preso pelo Gaeco do Ministério Público do Paraná

© Ricardo Almeida/ ANPr

Beto Richa (PSDB), ex-governador do Paraná, foi preso nesta terça-feira (11), em Curitiba. Ele é candidato ao Senado. A ordem é da Justiça do Estado e foi cumprida pelo Gaeco, do Ministério Público do Paraná.

Além desta ofensiva, aliados de Beto Richa foram alvo de mandados da Justiça Federal do Paraná. Também nesta terça, em mais uma ação ostensiva decorrente da Lava Jato, a Polícia Federal deflagrou a Operação Piloto nos estados da Bahia, de São Paulo e do Paraná.

OPERAÇÃO LAVA JATO

A 53ª fase da Operação Lava Jato foi deflagrada na manhã desta terça-feira (11). A ação cumpre três mandados de prisão em Curitiba. Mas, até o momento, não se sabe quais são os alvos.

A 53ª fase foi batizada de “Piloto” e cumpre 36 mandados judiciais em Salvador (BA), São Paulo (SP), Lupianópolis (PR) Colombo (PR) e Curitiba (PR).

A Polícia Federal (PF) destaca que o objetivo da investigação é a apuração de suposto pagamento milionário de vantagem indevida no ano de 2014, pelo Setor de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht.

Em nota, a PF informou que a investigação mira suposto pagamento milionário de vantagem indevida, em 2014, pelo Setor de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht, o departamento de propina da empreiteira, para agentes públicos e privados no Estado Paraná. Segundo os investigadores, a contrapartida seria um possível direcionamento do processo licitatório para investimento na duplicação, manutenção e operação da rodovia estadual PR-323 na modalidade parceria público-privada.

As condutas investigadas podem configurar os delitos de corrupção ativa e passiva, fraude à licitação e lavagem de dinheiro.

O nome dado à operação policial remete a codinome atribuído pela Odebrecht em seus controles de repasses de pagamentos indevidos a um investigado nesta operação policial.

Os presos serão levados à Superintendência da Polícia Federal em Curitiba/PR onde permanecerão à disposição da Justiça.

Discriminação dos mandados judiciais da PF:

SALVADOR/BA

01 mandado de busca e apreensão

SÃO PAULO/SP

01 mandado de busca e apreensão

PARANÁ/PR

LUPIANÓPOLIS/PR

02 mandados de busca e apreensão

COLOMBO/PR

01 mandado de busca e apreensão

CURITIBA/PR

28 mandados de busca e apreensão

02 mandados de prisão preventiva

01 mandado de prisão temporária.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *